Conheça o trabalho do Dr. Daniel Gaziri

Um breve currículo do cirurgião bucomaxilofacial, que atende em consultório próprio em Londrina

Casos tratados

Veja como os pacientes recuperaram a auto estima após o tratamento das deformidades na face

Tratamento especializado

O Dr. Daniel Gaziri é um dos poucos profissionais habilitados para tratar de casos complexos no Paraná

Como saber quais são os casos indicados?

Saiba como identificar os sintomas dos problemas que podem ser tratados pelo Dr. Daniel

O caso de Érica Pedrão Brito

Ela teve uma deformidade no crânio após ser atacada por índios, num caso que teve muita repercussão em Londrina

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

BIOENGENHARIA - Dentistas usam impressão 3D em reconstrução facial

Conhecida pela precisão, técnica possibilitou implante de prótese de titânio em paciente do Norte Pioneiro



- Cirurgiões José Augusto Camargo, Daniel Gaziri e Marcos Guskuma relatam que antes da intervenção foram necessários dois anos de preparação até a impressão em 3D da prótese de titânio - 


Apaixonado por futebol, o servidor público Aldecir dos Santos Costa, de 49 anos, nunca imaginou que seria uma das primeiras pessoas a passar por uma cirurgia de reconstrução facial com uso de impressora 3D em Londrina. A jornada até o procedimento que o deixaria novamente satisfeito com sua aparência ocorreu dez anos depois de um acidente num jogo de futebol entre amigos. De uma pancada recebida no rosto, quando o zagueiro tentou cabecear a bola para longe do gol, surgiu um tumor no osso. Uma parte da mandíbula direita precisou ser removida, dando lugar a uma prótese de titânio.

Se o resumo da história parece simples, a jornada de Costa, morador de Cornélio Procópio (Norte Pioneiro), até receber o implante não foi nada óbvia. O tumor na mandíbula do paciente, aos poucos, criou uma diferença de altura entre os lados do rosto dele. O queixo foi empurrado para o lado esquerdo. Enquanto o lado que levou a pancada contava com 66 mm de altura, o outro apresentava 88 mm. Eram mais de 2 centímetros de diferença de um lado para o outro da face. Costa chegou a ser desacreditado por profissionais de saúde e a pensar que não conseguiria resolver o problema. 

"Ele chegou ao nosso consultório sete anos depois do acidente. Tinha uma assimetria facial que conseguimos visualizar bem pelos exames. Vimos que o tumor estava crescendo e que aquela parte precisaria ser retirada", relata o dentista Marcos Guskuma, um dos cirurgiões bucomaxilofaciais responsáveis pela cirurgia do servidor público. Também fizeram parte desta equipe os dentistas Daniel Gaziri, José Augusto Camargo e Eduardo Hochuli Vieira. O procedimento, realizado no Hospital Araucária, teve seis horas de duração. 

Antes da intervenção foram necessários dois anos de preparação até a impressão em 3D da prótese de titânio para Costa, nos Estados Unidos. O paciente usou aparelho ortodôntico para corrigir a arcada dentária inferior – cuja posição foi alterada pela assimetria do rosto. Também foi preciso produzir uma nova dentadura para ele na parte superior, que usava uma feita de acordo com a posição dos dentes de baixo. "A nova dentadura serviu como nosso guia para voltar a face no lugar certo. Foi preciso colocar alguns ganchos de aparelho na prótese, que fizemos de sulfato de bário, para que ela aparecesse também nas radiografias", relata Guskuma. 

O terceiro passo da equipe foi encaminhar para os Estados Unidos uma tomografia do rosto do paciente. A TMJ Concepts, empresa sediada na Califórnia e especializada em fabricar próteses sob medida, usou os dados do exame para produzir um biomolde. "Nos mandaram uma impressão em 3D, em resina, da face. Primeiro, fizemos a ‘cirurgia’ neste molde e encaminhamos de volta para os EUA. Lá, eles fizeram o planejamento da prótese de titânio", explica o dentista. 

Feita a arquitetura da placa em cera, o implante foi simulado no biomolde e enviado para o Brasil pela empresa. Depois que o material foi aprovado pela equipe, foi feita a impressão em 3D, em tamanho real, da prótese de titânio. No caso de Costa, a placa teve 8 centímetros de comprimento. O encaixe, segundo Guskuma, foi perfeito, bem diferente de quando se trabalha com próteses pré-fabricadas. "A precisão é muito grande. Podemos dizer que é a melhor técnica que temos na área", defende o profissional.
Apesar de ser um procedimento novo, a reconstrução
 facial com auxílio de impressoras 3D é uma
 intervenção segura

‘Em nenhum momento tive medo’

O lance de futebol que culminou na cirurgia com impressora 3D na face do funcionário público Aldecir dos Santos Costa ficou na memória dele. Na ocasião, além da pancada no queixo, ele teve fraturas no nariz e na face, perto do olho direito. Pensou ser coisa simples, mas com o tempo, passou a perceber mudanças no rosto. "Não sofri nada na mandíbula, mas percebi que estava puxando para um dos lados, apesar de nunca ter sentido dor. Conforme puxava mais o queixo para o lado, a abertura da boca diminuía", relata o paciente.

A dificuldade, comenta, era maior em relação à alimentação e não à estética. Mesmo assim, ele diz se sentir satisfeito com o resultado ainda no pós-operatório. "Fiquei muito contente com a cirurgia. Em nenhum momento tive medo por ser uma técnica nova. Tenho muita confiança na equipe que me operou. Sabiam explicar, dialogavam comigo. Também coloquei Deus na frente", afirma.

Costa admite que sente um pouco de dor na recuperação, já que, além da cicatrização, ainda usa borrachinhas para ajudar a deixar as arcadas dentárias superior e inferior na posição de mordida correta. Ele também deve começar em breve fisioterapia para os músculos do rosto. Passado este período de tratamento, ele já sabe bem o que fazer. Quer voltar a jogar futebol. (A.L.)


Antoniele Luciano
Reportagem Local


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Publicação Folha de Londrina em 29 de agosto de 2015 - Coluna Social Oswaldo Militão

Clique para ampliar a foto






segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Esclareça suas duvidas sobre deformidade dento faciais, cirurgias ortognáticas e ATM

Especialista em correções de deformidades dento-faciais esclarece dúvidas acerca do diagnóstico e tratamento das disfunções de ATM

Os atos de falar, mastigar, deglutir e bocejar exigem o trabalho de uma das articulações mais complexas e fundamentais do corpo humano, a articulação temporomandibular (ATM), que liga a mandíbula ao crânio e está relacionada a diversos fatores que garantem bem-estar e qualidade de vida. Quando algo não vai bem, no entanto, essa articulação pode ser sobrecarregada, sofrer traumas ou apresentar processos inflamatórios, infecciosos, autoimunes e degenerações, resultando em disfunções no sistema que provocam dor na face, entre outros sintomas.
Dificuldade ao mastigar e falar, estalos ao abrir e fechar a boca, dores de cabeça, dor ou zumbido nos ouvidos, pressão perto dos ouvidos, espasmos musculares na face e problemas para dormir são alguns dos sintomas que podem indicar as disfunções da ATM, segundo o Cirurgião Buco-Maxilo-Facial Daniel Gaziri. “É preciso estar atento aos sintomas e buscar a avaliação de um especialista para determinar o correto diagnóstico e o tratamento adequado”, ressalta. Na área há 10 anos, Gaziri é mestre e doutor em cirurgia e traumatismo buco-maxilo-facial pela PUCRS e especialista em correções de deformidades dento-faciais. Além de atender em consultório, ele atua como chefe do serviço de cirurgia buco-maxilo-facial do Hospital Araucária, onde coordena a equipe de deformidades dento-faciais, contando com a participação do Me. José Augusto Camargo e do Dr. Marcos Heidy Guskuma; e, desde setembro do ano passado, integra o corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, na área de cirurgias de correção de deformidades da face e articulações temporomandibulares.
Diagnóstico
A ATM é formada por um complexo sistema de músculos, ligamentos, disco articular (menisco) e ossos que movem a mandíbula para frente, para trás e para os lados. Quadros em que há alterações nesse sistema, segundo o cirurgião Daniel Gaziri, podem ser altamente deletérios. “Há casos em que a mandíbula chega a travar, outros em que o simples ato de comer ou falar provoca dor”, explica. O diagnóstico, de acordo com o especialista, é obtido após um detalhado histórico do paciente, com base em informações sobre seu estilo de vida, nível de estresse, se range ou aperta os dentes, uso de aparelhos ortodônticos, entre outros fatores; conjugados a exames de imagem. Para determinar o diagnóstico, o cirurgião buco-maxilo-facial poderá recorrer a exames como radiografias, tomografia, ressonância magnética e impressões 3D. “A ressonância magnética é considerada o exame mais importante, pois viabiliza um diagnóstico mais minucioso e preciso”, afirma doutor Gaziri.
Tratamento
Em muitos casos, o tratamento para as disfunções de ATM pode demandar um atendimento multiprofissional, envolvendo a atuação de diversos especialistas, como fisioterapeutas, psicólogos, neurologistas e ortodontistas. Os procedimentos cirúrgicos são necessários apenas em casos específicos. “Entre as indicações cirúrgicas estão desde as minimamente invasivas, como artroscopia, até a chamada cirurgia aberta”, complementa.
Tecnologia 3D
Uma técnica cirúrgica desenvolvida nos EUA, ao longo de anos de pesquisa, tem mudado para melhor a vida de muitos pacientes. Desenvolvida pelo Dr. Larry Wolford, autoridade mundial quando o assunto é cirurgia ortognática para correção de deformidades craniofaciais, e por outros profissionais de talento da área, como Dr. Louis Mercuri; a técnica inclui desde a aplicação de miniâncoras para refazer os ligamentos articulares até o implante de próteses 3D customizadas para restabelecer partes da articulação. Daniel Gaziri ressalta que a cirurgia não encerra o tratamento. “Cuidados pós-operatórios são importantes para recuperar a funcionalidade da articulação e o paciente precisa seguir as orientações de todos os profissionais envolvidos no tratamento para garantir o sucesso do procedimento”, afirma.
Daniel Gaziri - CRO 16967
Cirurgião Buco-Maxilo-Facial
Rua Senador Souza Naves, 1035 – Sala 03
(43) 3324-5553 – Londrina PR - www.danielgaziri.com
Publicado em julho/2015: Revista Sucesso  

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Profissionais do ano - 2014

Publicação da Mondo Editora, que destaca a atuação do Dr. Daniel Gaziri.
 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Cirurgia Ortognática: a harmonia do sorriso e da face

Matéria publicada na Revista Mais Londrina - Saúde & Estética - nº10
http://maislondrina.com/revista10/


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Mais uma grande conquista

A partir desta sexta-feira, 19 de setembro, o cirurgião Buco Maxilo Facial Daniel Gaziri, especialista em correções de deformidades dento faciais, passa a integrar o corpo clínico do Hospital Sírio–Libanês, de São Paulo, um dos mais importantes do país. O convite para integrar uma equipe na instituição veio do Dr. Guilherme Omizzolo. Os dois cirurgiões já operam juntos em Londrina, em cirurgias de Articulação Temporomandibular – ATM, uma articulação que liga a mandíbula ao crânio, responsável por nossa mastigação.

Com a missão no Sírio-Libanês, o Dr. Daniel dividirá seu tempo entre São Paulo e Londrina. Uma semana por mês ficará na capital paulista para integrar a equipe que fará as cirurgias de sua especialidade.

Os pacientes de Londrina e região também ganham com esta parceria.
 “Com certeza traremos para Londrina as mais modernas técnicas na área, nas quais teremos contato no Hospital Sírio – Libanês”, afirma Gaziri

domingo, 18 de maio de 2014

Impressora 3D traz mais precisão a cirurgias faciais

Publicado no Boletim Eletrônico do Hospital Araucária.


domingo, 9 de março de 2014

Cirurgia Ortognática: a harmonia do sorriso e da face

Reportagem publicada na Revista Mais Londrina no. 10
(clique para ampliar)